Certificação por competência: a melhor opção para atender às atuais demandas da área da saúde

A pandemia trouxe consigo um aumento considerável na demanda por profissionais da área da saúde, principalmente de técnicos em enfermagem. No Brasil, são mais de 2,3 milhões de profissionais do segmento, composto por enfermeiros, técnicos em enfermagem e auxiliares, que não estão dando conta de atender às urgências que a COVID-19 gerou.

A demanda apresentou um crescimento tão considerável por conta do coronavírus que o governo federal precisou lançar medidas especiais flexibilizando alguns requisitos para a atuação desses profissionais. Por meio da portaria nº 639, publicada no Diário Oficial da União, a ideia é aumentar significativamente o número de técnicos em enfermagem, entre outros profissionais da área da saúde, facilitando o seu processo de capacitação para que possam auxiliar efetivamente no combate à pandemia.

Certificação por competência

 Nesse cenário, a certificação por competência contribui para que profissionais que já atuam na área, mas ainda não possuem o diploma comprovando sua habilidade técnica, reduzam o prazo para obter a devida certificação, sem a necessidade de realizar um curso que pode levar mais de 2 anos. O processo de certificação é bem mais rápido, levando de um a três meses, podendo ser ainda mais acelerado para atender justamente às necessidades impostas pela pandemia.

Certificação técnica em alta

 A grande maioria das oportunidades ofertadas são para técnicos em enfermagem. De acordo com o Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren-SP), esses profissionais compõem em torno de 70% da área da saúde no país. A projeção da Organização Mundial da Saúde (OMS) é ainda mais alarmante: a entidade aponta que  no mundo faltam seis milhões de enfermeiros para atender às necessidades de assistência à saúde da população. 

Pré-requisitos

Para dar início ao processo de certificação por competência e receber o certificado de técnico em enfermagem, é preciso ter dois anos ou mais de experiência profissional comprovada em carteira de trabalho, ou contrato de prestação de serviço na área da saúde ou estar ou ter cursado até o 4º período de graduação em enfermagem. Além disso, é obrigatório ter mais de 18 anos e o ensino médio completo. O processo é reconhecido pelo MEC e válido em todo território nacional. Também é importante ressaltar que o profissional, após certificado, está apto a solicitar em seu conselho de classe COREN/COFEN a sua carteira profissional e também a participar de concursos públicos de nível técnico.

O Instituto de Educação Tecnológica da Amazônia (IETAAM) possui mais de 30 anos de história e é a única instituição de ensino do país apta a realizar o processo, assegurando a validade da certificação. Entre em contato e descubra como é fácil validar suas experiências e fazer a diferença.

Desenvolvido pela KAKOI